top of page

Quando parar um aconselhamento

Atualizado: 2 de abr.

Este post é um trecho do livro recente de Jeremy Pierre e Deepak Reju, O Pastor e o Aconselhamento: um guia básico para o pastoreio de membros em necessidade (Editora Fiel, 2015), que foi escrito como um guia breve, prático e teológico para as noções básicas de aconselhamento em uma igreja local.

6 fatores a considerar...

Como pastor ou conselheiro, como saber quando parar de aconselhar? Ao tentar decidir se deve ou não encerrar o aconselhamento, provavelmente perceberá, com certa inquietação, que nem todos os problemas foram resolvidos. Você sentirá a necessidade de mais crescimento ou verá o desejo da pessoa de que o aconselhamento continue regularmente. Mas essas não são razões adequadas para continuar o aconselhamento. Quando terminar o aconselhamento é sempre uma decisão que requer muita sabedoria. A decisão de encerrar o processo de aconselhamento às vezes é clara, mas muitas vezes não.

É melhor tomar a decisão de encerrar o aconselhamento com alguns critérios claros. Considere dois indicadores positivos de quando concluir o aconselhamento, e quatro indicadores menos agradáveis.

A pessoa entende seu problema e está preparada para lidar com ele

O melhor indicador para encerrar o aconselhamento é quando a pessoa foi adequadamente equipada para responder com fé aos seus problemas e mostra um padrão consistente de fazê-lo. Os sintomas diminuíram: a depressão não é tão ruim quanto antes, o marido e a esposa se reconciliaram e reconstruíram sua confiança, o jovem viciado em pornografia teve um alívio considerável de seu pecado sexual. A pressão do problema original não está mais causando estragos em suas vidas. E de repente, eles não sentem mais a necessidade de se encontrar com você. E, por mais que você os ame, você também não sente a necessidade de se encontrar com eles.

No decurso do seu cuidado por eles, o cuidado de outra pessoa surge como mais eficaz

Se você está aconselhando no contexto da igreja local, você estará utilizando outros casais ou indivíduos para caminhar ao lado de um aconselhado. Frequentemente, essas outras pessoas se tornam mais eficazes do que você para lidar com as questões do coração dessa pessoa. Isso não é uma ameaça à sua posição como pastor ou conselheiro, mas sim uma marca de como a igreja deve funcionar. Deve deixá-lo feliz ver outras pessoas demonstrarem uma habilidade, ou terem um insight, que você não teve. Se você reconhece que este é o caso, pode ser melhor transferi-los para os cuidados de outras pessoas.

Mas, infelizmente, nem todo aconselhamento termina com uma conclusão positiva. Às vezes, outros motivos obrigam a transição para outros conselheiros ou outros tipos de cuidados.

As coisas não parecem estar mudando

Você tentou ajudar por um tempo, e as coisas simplesmente não parecem estar indo a lugar nenhum. Eles têm, pelo menos aparentemente, se esforçado para fazer mudanças, mas o mesmo problema com que começaram ainda os está atormentando. Talvez tenha até piorado. Isso pode acontecer devido à falta de discernimento ou habilidade de sua parte, ou pode ser fruto de um coração duro, ignorância ou outros fatores de parte do aconselhado. Normalmente é um pouco dos dois. Mas a questão é que nada parece estar fazendo diferença. É um bom momento para pensar em mudar para outra pessoa.

Eles não estão interessados ​​em trabalhar

Você estará em situações de aconselhamento em que os aconselhados basicamente usarão o tempo das reuniões para reclamar e fofocar. Mas quando se trata do trabalho árduo de estudar as Escrituras, pensar nas motivações do coração, confrontar o pecado ou enfrentar suas próprias dúvidas, eles simplesmente não querem fazer. Essas pessoas esperam que você faça o trabalho pesado nas sessões. Mas não servimos ao nosso povo cedendo ao seu senso de "fazer algo" sobre o problema, recorrendo ao aconselhamento quando eles se recusam a realmente fazer algo. Não deixe que as pessoas se enganem pensando que estão se esforçando quando não estão. Se eles não fizerem o dever de casa e não estiverem interessados ​​em responder às perguntas que você formulou, o aconselhamento precisa terminar por causa deles.

Eles não confiam em você

Também haverá situações em que seus erros serão dolorosamente evidentes. Talvez você tenha errado ao falar sobre um assunto sem entendê-lo, ou respondeu a eles em plena frustração. Você se esqueceu de compromissos ou não conseguiu encaixá-los em sua agenda com uma rotatividade razoável. Duas coisas que você sabe são verdadeiras a seu respeito: você é um pecador e um humano. A questão é que eles perderam a confiança em você—seja por sua culpa ou por suas expectativas irrealistas. Independentemente disso, as pessoas não seguirão sua orientação se não confiarem em você, e é hora de encerrar o aconselhamento. Se eles não estão dispostos a confiar nos conselhos de qualquer outra pessoa da igreja, também pode ser a hora de pensarem em mudar para outra igreja.

Eles precisam de mais ajuda do que você pode oferecer

O problema deles é intenso o suficiente para exigir mais tempo ou experiência do que você pode oferecer. Você gostaria de ter mais tempo para ficar com eles, mas cumprir suas outras responsabilidades seria impossível, pois eles precisariam de mais do que apenas uma conversa de uma hora por semana. Por exemplo, o vício em drogas pode ficar tão fora de controle que os aconselhados precisam de intervenção diária. Você gostaria de ter mais habilidade para conhecer os contornos de um problema específico, mas não tem o insight, a habilidade ou o tempo necessário para resolver a complexidade. Agora, lembre-se de que o limite do que você pode controlar é mais alto do que você pode imaginar. Mas também queremos reconhecer que certos problemas se tornaram tão complexos espiritualmente, ou fisiologicamente enraizados, que você deve procurar alguém com maior habilidade. O objetivo não é ignorá-los; em vez disso, é para obter a ajuda de que precisam.

Não se sinta um fracasso se você tiver que encaminhá-los para outra pessoa na igreja (outro pastor ou outro crente maduro) ou alguém de fora da igreja (um conselheiro ou médico em sua comunidade). Às vezes, a melhor maneira de cuidar deles não é continuar o trabalho sozinho, mas encaminhá-los na direção certa—alguém que possa lhes dar o tempo e a atenção necessários.

Se algum desses indicadores se aplicar à sua situação, provavelmente é hora de encerrar o aconselhamento, pedindo uma sessão final. Algumas pessoas ficarão mais do que felizes com o fim do aconselhamento. Outros ficarão bastante alarmados—para estes, uma sessão final é destruidora. Eles querem que o aconselhamento dure muito mais tempo do que o necessário, talvez até discutindo com você sobre como precisam de mais ajuda. Se você, em sua sabedoria (e não em sua impaciência), concluiu que as coisas deveriam diminuir, então seja gentil e mantenha o curso para encerrar as coisas. Não deixe que as armadilhas e pressões de pessoas muito necessitadas determinem o ritmo de seu aconselhamento. Ouça humildemente suas preocupações; ore sobre isso; e é sua responsabilidade determinar o que é melhor.

Junte-se à conversa

Como pastor/conselheiro bíblico, que fatores você considera como diretrizes para quando encerrar o aconselhamento?

___________

Este post, de autoria de Deepak Reju, foi originalmente publicado no blog da Biblical Counseling Coalition. Traduzido por Gustavo Santos e revisado por Lucas Sabatier. Republicado mediante autorização.

*Os conceitos e posicionamentos emitidos nos textos aqui publicados são de inteira responsabilidade dos autores originais, não refletindo, necessariamente, a opinião da direção e membros da ABCB em sua totalidade.

47 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page