top of page

Sinceridade Graciosa: um Tutorial Sobre como Falar a Verdade em Amor

Katherine é uma mulher maravilhosa de nossa congregação e que ama a Jesus. Ela fica em casa com os filhos e tem buscado ser uma esposa fiel ao seu marido. Algumas semanas atrás, Katherine e eu tivemos uma conversa. Ela compartilhou de sua dificuldade em expor suas opiniões de forma que não pareça dominadora. Katherine é uma mulher cheia do Espírito e legitimamente gentil, que deseja ser amorosa com as pessoas que se relaciona. Ela está ciente, no entanto, de uma tendência em sua vida—que foi confirmada por outros—de parecer crítica, enfadonha, mandona e arrogante. Katherine está perplexa. Ela é apaixonada e cheia de convicção, e deseja falar a verdade para as pessoas que ama. Porém, ela não está muito certa de que sabe como fazer isso sem parecer rude. Ela me perguntou, de forma muito humilde, o que poderia fazer para tornar-se capaz de falar honestamente sem parecer insensível. Com certeza devemos considerar e aplicar Efésios 4.15: “Mas, falando a verdade em amor, cresçamos em tudo naquele que é o cabeça, Cristo.” Se devemos crescer em Cristo no contexto das nossas conversas, o apóstolo Paulo dá dois mandamentos sobre nossas palavras. Primeiro, ele nos dá o mandamento relacionado ao conteúdo da nossa fala—deve ser verdadeiro e confiável. Segundo, ele nos dá o mandamento sobre a forma como falamos—deve ser em amor. Tudo o que dizemos deve ser tanto sábio quanto amoroso. Nossa fala deve ser cheia de sinceridade amorosa. Eu falei sobre essa passagem com a Katherine e isso a ajudou, mas ela também ficou um pouco desencorajada. A passagem mostra o que ela já sabe que precisa fazer, mas não fornece passos para que ela mude. O que dizer para Katherine a fim de ajuda-la a viver Efésios 4.15? Perguntando de outra maneira: que outros princípios bíblicos podemos usar para ajudar as Katherines ao redor do mundo a saber como apoiar-se na graça de Jesus e terem uma fala menos dura e mais temperada com sal? Efésios 4.15 descreve o objetivo. Naquele dia em que conversamos, eu dei a Katherine sete sugestões para ajudá-la a alcançar esse objetivo.

1. Em humildade, evite pensar sobre si mesmo mais do que convém. Essas palavras são, sem dúvida, um mandamento de Paulo em Romanos 12.3, e, quando o Senhor voltar e derramar sua graça para que o obedeçamos perfeitamente, nunca mais haverá palavras duras. Algumas vezes nossas palavras soam duras aos outros porque—mesmo que estejamos certos e tenhamos comunicado com o tom de voz perfeito—a pessoa que as ouviu respondeu de forma pecaminosa. Isto é possível. Mas para aqueles que são conscientes dos padrões orgulhosos do nosso coração, devemos ter muito cuidado para não assumir isso como verdade. A realidade é que, para muitos de nós, nossas palavras estão erradas antes mesmo de saírem de nossas bocas, porque foram geradas em um coração arrogante e orgulhoso. Minhas ideias estão corretas; as suas estão erradas. Meus motivos são puros; os seus são suspeitos. Meus planos são sábios; os seus são tolos. Quando palavras são ditas dessa forma, não serão ditas em amor, mesmo que estejam tecnicamente corretas, porque o amor não inveja ou ensoberbece e não é arrogante ou rude (1 Coríntios 13.4). Minha amiga Katherine precisa aprender, como eu, que antes mesmo de limpar a garganta para falar, preciso me arrepender da autojustiça que move essa dureza.

2. Em humildade, pense dos outros mais do que de si mesmo. Essas palavras vêm da admoestação de Paulo em Filipenses 2. Esta consideração é a imagem espelhada do primeiro ponto. Se devemos evitar a dureza, nossas palavras não precisam somente voar sobre nosso orgulho, mas também devem incluir um direcionamento para o serviço ao próximo. Sempre que falo com alguém, estou me dirigindo a uma pessoa cujas preocupações Jesus quer que eu considere acima das minhas próprias. Isto significa que eu devo falar com os outros de uma forma que sirva os interesses deles. Com frequência nós falamos para servir nossos próprios interesses. Queremos que outros ouçam nossa opinião. Queremos transmitir nosso próprio conselho. Estamos ansiosos para que outros enxerguem as coisas como nós enxergamos e elogiem nossa percepção. Estamos no caminho para falar a verdade em amor quando nos arrependemos dessas motivações e dizemos palavras que tem o objetivo sincero de servir outros ao invés dos nossos interesses.

3. Em humildade, ouça primeiro, e fale depois. Tiago 1.19 diz, “Sabeis estas coisas, meus amados irmãos. Todo homem, pois, seja pronto para ouvir, tardio para falar, tardio para se irar.” Quando eu considero que tenho o julgamento correto, e tenho os seus interesses como mais significantes do que os meus, este mandamento faz todo o sentido. Uma consideração humilde sobre as minhas limitações e um desejo intenso por servir a você naturalmente me levarão a ouvir para que eu possa discernir como minhas palavras podem ajudar melhor. Invertemos essa passagem e falamos primeiro quando pensamos muito a respeito de nós mesmos e pouco a respeito dos outros. As pessoas vão sentir que nossas palavras são duras, insensíveis e irrelevantes se perceberem que não estamos cientes e que não escutamos as suas preocupações.

4. Em humildade, lide com o problema da forma mais privada possível. Na passagem clássica de disciplina eclesiástica em Mateus 18, o primeiro passo que Jesus recomenda é uma conversa particular entre o irmão em rebeldia e aquele que pode ajudar a restaurá-lo. Isto é sabedoria. Estou no ministério pastoral por tempo o suficiente para testemunhar, em inúmeras ocasiões, a loucura que é tornar um assunto privado mais público do que deveria ser. No nosso orgulho, muitas vezes desejamos expressar nossas convicções de forma que o máximo de pessoas possam ver como somos espertos. A sabedoria humilde recomenda uma ética diferente. Se queremos evitar a dureza, normalmente conversaremos em particular. Obviamente há um tempo e espaço para a exortação imediata e pública (Gálatas 2.11–14), mas normalmente devemos nos segurar até que possamos falar em particular.

5. Em humildade, seja honesto sobre suas próprias lutas e limitações. Em Mateus 7.1–5, Jesus ensina seu povo o processo de reconciliação que requer confissão antes que haja a confrontação. O mandamento sábio de Jesus me encoraja a me aproximar de você, confessar meu próprio pecado e fraqueza antes que eu possa ajudá-lo a lidar com o seu. Esta não é a maneira como normalmente lidamos com essas situações. Em nosso pecado, costumamos evitar nossas fraquezas, limitações e lutas. Se devemos evitar a dureza, no entanto, e permanecermos focados em falar a verdade em amor, devemos seguir Jesus e aprender a lidar com nossas próprias fraquezas. Fazer isso irá amolecer os corações dos nossos ouvintes e, mais importante, honrará a Cristo.

6. Em humildade, seja honesto sobre as virtudes dos outros. Em Lucas 6.37–38, Jesus diz, “Não julgueis, e não sereis julgados; não condeneis, e não sereis condenados; perdoai, e sereis perdoados; dai, e dar-se-vos-á; boa medida, recalcada, sacudida, transbordante, generosamente vos darão; porque com a medida com que tiverdes medido vos medirão também.” Esta passagem manda os cristãos a estenderem um julgamento gracioso e caridoso aos outros. Evitar a dureza ao falarmos com os outros significa entender que raramente as pessoas com quem estamos falando são definidas exclusivamente por suas faltas. Todos têm aspectos positivos que são dignos de consideração e menção. É um ato de amor e humildade considerar e compartilhar com os outros as coisas boas no caráter deles, além de qualquer dificuldade que você esteja tratando com eles. Compartilhar esse tipo de coisa não tem como objetivo evitar tópicos difíceis, nem amaciar o ego deles, mas é, fundamentalmente, fidelidade a Cristo.

7. Em humildade, fale a verdade. A sétima sugestão retorna a Efésios 4.15, de onde partimos. Somos lembrados de que devemos falar a verdade. Se você falhar nos primeiros seis passos, você não está amando. Se você falhar aqui, você não está sendo verdadeiro. Nenhum dos dois é bom. Jesus quer que a Katherine, você e eu nos relacionemos com os outros e ministremos a eles ao falar a verdade em suas vidas. Não estamos amando quando evitamos falar a verdade às pessoas. Não é sábio, no entanto, achar que podemos descarregar nossos fardos falando a verdade sem que seja em amor. Para os que entendem que Deus quer que falemos a verdade, precisamos crescer na graça de evitar a dureza ao falar a verdade. Eu oro para que essas sete sugestões o ajudem, como ajudaram Katherine, ao fornecer sete áreas para examinar o seu coração, buscar perdão, e apoiar-se em Jesus para encontrar graça, evitar a dureza e buscar o amor enquanto falamos com os outros. originalmente=">originalmente" publicado="publicado</a>" no="no" blog="blog" da="da" >Biblical=">Biblical" Counseling="Counseling" Coalition.="Coalition</a>." Traduzido="Traduzido" por="por" Gustavo="Gustavo" Santos="Santos" e="e" republicado="republicado" mediante="mediante" autorização.="autorização.">

4 visualizações0 comentário

Comments


bottom of page